sábado, 11 de outubro de 2014

:: CAIXINHA DE RECORDAÇÕES ::



A Rita? A Rita era linda. Tinha os olhos claros e aquelas bochechas voluptuosas e felizes. Quando fazia cara de séria ficava ainda mais bonita, a Rita. Nunca tinha visto ninguém sair bem em uma foto 3x4. E ainda por cima se chamar Rita de Cássia. Devoção da mãe, porque ela, a Rita mesmo, era militante.
A segunda também era militante, ativa, extremista e adorava uma briga. Mas sempre se saía melhor nos bilhetes e declarações de amor. Poemas e guardanapos, cartinhas no travesseiro, batom no espelho do banheiro e até música. Tinham música própria. Mesmo quando tudo terminou do pior jeito que podia, no papel o poema sofrido saía bonito. Mesmo sendo culpa do bastardo. Raquel era revoltada. E no seu jeito desleixado parecia um personagem de filme da ditadura militar, o que a deixava mais atraente e bonita.
        Quando a dor já tinha quase cicatrizado com as doses de uísque, surgiu essa tal aí. Nem o nome combina... um jeito de menina mimada fazendo cagada pra chamar a atenção, com roupinhas sem estilo e querendo ser artista em um mundo onde criancinhas não tem o que comer. E eu não sei como ela conseguiu... Mal arrancou um poema, mas uma noite embriagada, sempre reclamando do cabelo curto mal cortado...e  mesmo assim... é do lado dessa tal que ele dorme toda noite. Na caixinha, nenhum poema pra ela, nenhum bilhete pra ela. Só uma foto deles juntos...

Nenhum comentário:

Postar um comentário