segunda-feira, 25 de março de 2013

IDADE



Já não sou mais aquela... O olhar ausente, pó de arroz, e o retrato meu e dele. Sem rimas nem poemas.
É um dia frio, com aquelas tardes cansadas. Eu te esperando o mesmo e o sonho passou.

Já não sou mais a mesma. Depois de ver tuas costas, de quê adianta saber que horas são? Se o sol virá ou não, se alguém quer revolução.

Depois de tanta dor, já que não sou mais aquela, que o engano não me seja indiferente...

Sábado , 06 de Janeiro de 2007 

Nenhum comentário:

Postar um comentário