segunda-feira, 25 de março de 2013

A CRIATURA EM NOITE DE SURTO PSICÓTICO




Ás vezes é difícil entender a vida... ou apenas pensar nela... E a Criatura ficou a noite toda pensando e pensando e pensando... Ela irá morrer secretamente, assim como secretamente viveu. Ninguém nunca lhe escrevera uma música ou pintara um quadro. Ninguém ficou espiando pela janela do seu quarto, ninguém nunca lhe deu uma cantada ou um simples bilhete de amor. Ninguém nunca ligou ás 3 horas da manhã apenas para dizer que gosta dela ou que sente sua falta, ninguém nunca a convidou para comer pipoca em um dia de chuva, ninguém nunca deu um presente sem ser o seu aniversário, ninguém nunca chorou por estar perdendo a Criatura, ou apenas lhe sorriu sem motivo. Ninguém nunca roubou uma flor de jardim para lhe dar.
E aí ela se viu com o rosto vermelho e molhado, sentindo-se o ser humano mais desprezível do mundo por só conseguir pensar no seu umbigo, pois percebera que não ter com quem desabafar, nem sequer pra quem pudesse escrever, na verdade, era porque ela é quem nunca sorria, nunca chorava na frente dos estranhos, nunca escreveu músicas e disse para o garoto de quem gostava “olhe, eu escrevi pra você”, ela nunca ligou para ninguém ás 3 horas da manhã com medo de estar incomodando, ela é quem tem medo de dizer o que eu sente para as pessoas, ou de declarar o seu amor com um bilhete, ou até mesmo dizendo “fiquei te espiando pela janela”, ela é quem nunca roubou a flor de um jardim para dar a alguém especial.
Tendo medo dos seus próprios sentimentos, tendo medo do que irão pensar dos seus mais íntimos sentimentos, e das suas constantes declarações de amor a vida. Seria capaz realmente de amar?!?! A Criatura Tinha medo de não ser amada e tinha medo de amar. Amaria um dia de verdade. Provavelmente, quando a criatura conhecer o seu verdadeiro amor, ela cometerá tantos erros que ele irá embora, e ela desejará não amar nunca mais...

Nenhum comentário:

Postar um comentário